Mulheres no Cinema: Sofia Coppola - InC | Instituto de Cinema | Cursos de Cinema e Atuação

Instituto de Cinema de SP

Mulheres no Cinema: Sofia Coppola

Sofia Carmina Coppola nasceu em Nova Iorque, em 14 de maio de 1971. Filha mais nova da cenografista Eleanor Coppola e do cineasta Francis Ford Coppola, Sofia teve seus primeiros contatos com produções ao atuar nos filmes do pai. Com menos de um ano de idade, ela fez sua primeira aparição em O Poderoso Chefão (1972), como o bebê Michael Rizzi, em uma cena onde é batizado logo após seu nascimento.


Também fez aparições em produções como O Selvagem da Motocicleta (1983), em Peggy Sue: Seu Passado a Espera (1986), e em Star Wars: A Ameaça Fantasma (1999). Mas seu papel de maior destaque foi no filme O Poderoso Chefão Parte III, em 1990, onde interpretou Mary Corleone. A produção foi a última da série de filmes, e Sofia foi muito criticada por sua atuação, que lhe rendeu dois prêmios no Framboesa de Ouro, premiação bem humorada dos considerados piores do ano.


Após as experiências negativas, Sofia decidiu se dedicar exclusivamente à realização de produções audiovisuais. Sua primeira produção como diretora foi o curta-metragem Lick the Star, em 1998. O curta foi veiculado diversas vezes no Independent Film Channel. Depois disso, Sofia estreou no cinema com seu primeiro longa-metragem: As Virgens Suicidas (1999). A produção recebeu aclamação da crítica no Sundance Film Festival de 2000, e Sofia venceu o prêmio de melhor Diretora Estreante no MTV Movie Awards de 1999.


Seu segundo longa foi a produção Encontros e Desencontros, lançado em 2003. Com ele, Sofia Coppola recebeu aclamação mundial, ao ganhar o Oscar de Melhor Roteiro Original, além de três prêmios no Globo de Ouro daquele ano. Foi somente a segunda mulher na história a vencer o prêmio de Melhor Roteiro Original, antecedida por Jane Campion, que em 1994 levou o prêmio pelo filme O Piano.


Em 2004, Sofia Coppola foi convidada para ingressar a Academy of Motion Picture Arts and Sciences. Segundo Sofia, suas maiores influências cinematográficas são Federico Fellini e Michelangelo Antonioni, trazendo em seus filmes diversas referências da cinematografia dos dois.


Sua cinematografia conta com os seguintes filmes:


As virgens suicidas (1999)


Primeiro longa de Sofia Coppola, o filme, ambientado na década de 1970, conta a história das cinco irmãs Lisbon. Criadas em um ambiente de grande religiosidade, as irmãs são proibidas de interagir com outras pessoas de sua idade, a não ser entre elas mesmas. Enquanto isso, os rapazes do bairro ficam completamente obcecados pelas cinco irmãs, e após uma festa de aniversário da mais nova, uma série de acontecimentos espantosos acontece, mudando para sempre a vida dos jovens.


O filme foi recebeu aclamação da crítica no Sundance Film Festival de 2000, marcando positivamente o início da carreira de Sofia.


Encontros e Desencontros (2003)


Ambientado em Tóquio, esse filme nos mostra a história de Bob Harris (Bill Murray), uma estrela de cinema prestes a fazer um comercial de uísque, e de Charlotte (Scarlett Johansson), esposa de um fotógrafo de celebridades, que ao acompanhar o marido em sua viagem, é deixada de lado o tempo todo. Sofrendo com o fuso horário da cidade japonesa, Bob e Charlotte acabam se conhecendo no bar do hotel em que estão hospedados, e no pouco tempo que passam juntos, os dois acabam encontrando no outro um escapismo de suas vidas, deixando se envolver em meio às ruas e luzes de Tóquio.


Esse foi o filme que trouxe reconhecimento mundial para Sofia Coppola. Com ele, venceu o Oscar de Melhor Roteiro Original, além de levar três prêmios no Globo de Ouro, incluindo Melhor Filme de Comédia ou Musical e Melhor Roteiro.


Maria Antonieta (2006)


Nesse longa acompanhamos a jornada de Maria Antonieta (Kirsten Dunst), uma jovem nobre que deixa a áustria, sua terra natal, para conhecer e se casar com Luís Augusto (Jason Schwartzman), futuro rei da França. Vemos a vida da jovem nesse período, sendo obrigada a se habituar com os costumes dos nobres franceses, tão diferente dos de Viena, além de ter que lidar com a pressão de gerar um herdeiro real e precisar manter uma relação saudável com os membros da corte, sempre pensando no tratado entre os dois países.


O filme venceu o Oscar de Melhor Figurino em 2007, além de receber prêmio em Cannes e indicações no Bafta daquele mesmo ano.


Um Lugar Qualquer (2010)


Aqui nos é contada a história de Johnny Marco (Stephen Dorff), um ator bem sucedido que se hospeda no famoso hotel Chateau Marmont, a fim de se recuperar de um acidente que aconteceu no set de filmagens durante uma gravação. Melancólico, a vida de Johnny é repleta de sexo e álcool, vivendo dias vazios e sem sentido. Mas esses dias começam a ser preenchidos quando o ator recebe a incumbência de cuidar de sua filha Cleo (Elle Fanning), uma garota de 11 anos que aos poucos muda a vida de Johnny, com sua maturidade e comportamento inusitados.


Com o filme, Sofia recebeu o Leão de Ouro no Festival de Veneza em 2010.


Bling Ring: A Gangue de Hollywood (2013)


O filme nos conta a história de Marc (Israel Broussard), um jovem que entra em uma nova escola, e acaba conhecendo Rebecca (Katie Chang), de quem rapidamente vira amigo. Os dois começam a praticar pequenos furtos na cidade, que aos poucos começam a tomar maiores proporções, os levando a invadir as propriedades de famosos de Hollywood, ao se juntarem com outros membros: Nicki (Emma Watson), Chloe (Claire Julien) e Sam (Taissa Farmiga). O que eles não esperavam era que eles mesmos se tornassem celebridades após serem descobertos.


A Very Murray Christmas (2015)


Nesse especial de Natal produzido pela Netflix, acompanhamos o natal de Bill Murray (interpretando ele mesmo), que faria um show especial, mas é interrompido por uma enorme tempestade de neve em Nova York. Isolado no hotel em que o espetáculo iria ocorrer, Bill Murray decide decide reunir alguns hóspedes e funcionários, para que possam banquetear com as comidas de um casamento que foi cancelado, cantando diversas músicas natalinas para passar o tempo juntos.


O Estranho Que Nós Amamos (2017)


O filme se passa durante a Guerra Civil americana, mostrando um internato isolado dentro do estado da Virgínia. Vemos Amy (Oona Laurence), uma das jovens do internato, que ao adentrar um bosque nos arredores do terreno, acaba se deparando com John McBurney (Colin Farrell), um cabo da União que, ao ser ferido em combate, acabou fugindo e se escondendo embaixo de uma árvore. Amy decide então levá-lo para dentro, como um nobre ato cristão.


Lá, a responsável pela criação das meninas, Martha (Nicole Kidman) decide cuidar de seus ferimentos para que, após uma total recuperação, ele possa ser entregue às autoridades. Porém, aos poucos cada uma das moças demonstra um desejo pelo homem misterioso, e isso acaba trazendo cada vez mais conflitos para dentro do internato.


 


Por Pedro Dourado.

voltar